Meditação Metta

Por Bhante Henepola Gunaratana 

Algumas vezes a prática da meditação de insight (vipassana) pode ser interpretada como sendo um tipo de prática que faz com que o meditador se torne um ser sem coração ou indiferente, como um vegetal que não possui amor e compaixão pelos outros seres vivos.

Devemos, no entanto, lembrar que o Buda recomendou de maneira enfática que cultivemos quatro moradas divinas ou estados sublimes da mente: amor bondade (metta), compaixão (karuna), alegria altruísta (mudita) e equanimidade (upekha). O primeiro desses quatro é tão importante que o Buda disse que alguém que dependa inteiramente de outras pessoas para viver (isto é, um monge ou monja) poderá pagar a sua dívida para com os seus patrocinadores através da prática de metta, dirigida a todos os seres vivos, mesmo que seja por um período de tempo tão curto quanto uma fração de segundo por dia. O Karaniya Metta Sutta diz: “…sempre que estiver desperto, cultive essa atenção plena: a isto se denomina uma morada divina no aqui e agora.”

A atenção plena é um dos fatores mais importantes em todo o conjunto dos ensinamentos do Buda. Desde o dia que ele alcançou a iluminação, até o dia em que ele faleceu aos 80 anos, em quase todos os discursos do Dhamma ele enfatizou a atenção plena. Ao equiparar a prática de metta à atenção plena podemos entender a importância dessa prática dentro do conjunto dos ensinamentos do Buda. O Buda aperfeiçoou a prática de metta para alcançar a Iluminação, equilibrando-a com a sabedoria. Mesmo após haver alcançado a Iluminação, a primeira coisa que ele fazia todos os dias era penetrar a realização da Grande Compaixão, que é o fruto da prática de metta. Em seguida ele inspecionava o mundo para ver se havia seres que ele poderia auxiliar na compreensão do Dhamma. Esses quatro estados sublimes da mente são denominados Brahma Vihara, o comportamento ideal ou atitude ideal. Os três primeiros possuem força suficiente para permitir alcançar os primeiros três jhanas e o último para alcançar o quarto jhana. A sua importância na prática da meditação vipassana fica evidente pelo fato deles estarem incluídos no segundo elemento do Nobre Caminho Óctuplo. Na verdade, nenhuma concentração é possível sem esses estados sublimes da mente, porque na ausência deles a mente fica cheia de raiva, rigidez, preocupações, temores, tensão e inquietação.

Antes de nos dedicarmos à prática desses estados nobres da mente, devemos superar a raiva, que é uma maneira impensada de desperdiçar a própria energia. A raiva, quando ativa, se compara à água fervendo ou, quando não é expressa, ao preconceito. Ela pode destruir a nossa prática de meditação e o treinamento das virtudes. A pessoa enraivecida se compara a um pedaço de lenha meio queimado deixado em uma pira funerária. Ambas as extremidades da lenha estão queimadas e transformadas em carvão e o meio está coberto com imundícies. Ninguém pegaria esse pedaço de lenha para queimar ou para qualquer outro propósito porque ficaria com as mão imundas. Da mesma forma a pessoa enraivecida será evitada de todas as formas, se possível, por todos.

Precisamos começar a prática de metta com nós mesmos primeiro. Algumas vezes alguns de vocês podem se perguntar porque devemos amar a nós mesmos primeiro. Isso não seria amor próprio que conduz ao egoísmo? Se você investigar a sua mente cuidadosamente no entanto, irá se convencer de que não existe nenhuma outra pessoa em todo o universo que você ame mais do que você mesmo. O Buda disse, “Tendo atravessado todos os quadrantes com a mente, ele não encontra em nenhum lugar alguém mais querido do que ele mesmo. Do mesmo modo, toda pessoa considera a si mesma como a mais querida; por conseguinte quem ama a si mesmo não deveria ferir os outros.” (Mallika Sutta). Quem não ama a si mesmo será incapaz de amar aos outros. Da mesma forma, quem ama a si mesmo irá sentir o impacto de metta e poderá então compreender quão belo seria se todos os corações no mundo estivessem plenos com o mesmo sentimento de metta.

O tipo de amor bondade que queremos cultivar não é o amor comum tal como é entendido no uso diário. Quando você diz, por exemplo, “eu amo tal pessoa” ou “tal coisa”, o que você realmente está querendo dizer é que você deseja a aparência, comportamento, ideias, tom da voz ou a atitude em geral daquela pessoa, em relação a você particularmente, ou em relação à vida de forma geral. Se aquela pessoa mudar as coisas pelas quais você a deseja, você poderá decidir que não a ama mais. Se as preferências, caprichos e fantasias das pessoas mudarem, elas não mais dirão “eu amo tal pessoa”. Nessa dualidade de amor-ódio você ama uma pessoa e odeia outra. Você ama agora e odeia depois. Você ama quando quiser e odeia quando quiser. Você ama quando tudo está bem e sem problemas e odeia quando alguma coisa dá errado no relacionamento entre você e a outra pessoa. Se o seu amor muda dessa forma de tempos em tempos, de lugar em lugar e de situação para situação, então o que você chama de “amor” não é metta, mas sim desejo, cobiça ou luxúria – de nenhuma forma isso é amor.

O tipo de amor bondade que queremos cultivar através da meditação não possui um oposto ou um motivo velado. Assim, a dicotomia amor-ódio não se aplica ao amor bondade cultivado através da sabedoria ou da atenção plena, pois ele nunca irá se transformar em ódio à medida que as circunstâncias mudarem. O verdadeiro amor bondade é uma faculdade natural que está oculta sob o amontoado de desejo, raiva e ignorância. Ele não pode ser dado. Nós precisamos encontrá-lo dentro de nós mesmos e cultivá-lo com a atenção plena. A atenção plena o descobre, cultiva e mantém. A consciência do “eu” (ahankara) se dissolve com a atenção plena e o seu lugar é tomado pelo amor bondade isento de egoísmo.

Por causa do nosso egoísmo odiamos algumas pessoas. Queremos viver de certo jeito, queremos fazer certas coisas ao nosso modo, perceber as coisas de uma forma particular; e não de outro jeito. Se outras pessoas não concordarem com as nossas opiniões, nossos jeitos e nossos estilos, não só as odiaremos, mas também nos tornaremos tão cegos e irracionais, devido à falta de atenção plena, que poderemos chegar ao ponto de negar-lhes o direito à vida.

Quando você pratica metta você não fica colérico por não receber algum tipo de retribuição de pessoas e seres para os quais você irradiou o seu metta, porque ao irradiar-lhes o seu amor bondade você não possuía nenhum motivo oculto. Nessa rede de amor bondade você não somente inclui todos os seres tal como eles são, mas você deseja que todos eles, sem qualquer discriminação, sejam felizes. Você irá se portar de maneira gentil e agradável para com todos e irá falar a respeito deles de forma gentil e agradável tanto na presença como na ausência deles.

Ao meditar as nossas mentes e corpos se tornam naturalmente relaxados. Os obstáculos são dissolvidos. A sonolência e o torpor, por exemplo, são substituídos pela vigilância. A dúvida é substituída pela confiança, a raiva pela alegria, a inquietação e a preocupação pela felicidade. Na medida em que o ressentimento é substituído pela alegria, o amor bondade escondido no nosso subconsciente se manifesta fazendo com que fiquemos ainda mais em paz e felizes. Nesse estado de meditação obtemos concentração e superamos a nossa cobiça. Podemos ver como a meditação destrói a raiva e cultiva metta, que por seu lado dá sustentação para a nossa prática de meditação. Juntos, os dois operam em uníssono, culminando com a concentração e o insight. Assim, para capturar na própria mente a energia do amor bondade a pessoa precisa se aperfeiçoar através da prática da meditação da atenção plena.

A observação atenta dos nossos estados mentais pode fazer com que tenhamos consciência do dano, destruição e dor causados por certos tipos de pensamentos. Enquanto que outros são cheios de paz e alegria. Com isso, a nossa mente passa a rejeitar aquilo que é prejudicial e a cultivar o que é pacífico e prazenteiro. Não aprendemos isso nos livros, com mestres, amigos ou inimigos, mas através da nossa própria prática e experiência. Quando os pensamentos prejudiciais surgem aprendemos a não lhes dar atenção e quando pensamentos benéficos surgem nós permitimos que eles se expandam e permaneçam por mais tempo na mente. Assim aprendemos com a nossa própria experiência como pensar de forma mais saudável. Essa prática cria as condições na nossa mente para que o amor bondade cresça. Isso significa que pensamentos benéficos que surgem na nossa mente por si mesmos, podem ser gerados de acordo com a nossa própria vontade, mais tarde. Essa prática nos ajuda a compreender que o amor bondade pode se desenvolver e crescer no fundo da nossa mente.

Fatores ambientais ou circunstanciais desempenham um papel importante nesse cultivo. Nenhum ser humano está totalmente desprovido de amor bondade, não importa o quão cruel ele ou ela aparentem ser. O amor bondade escondido no subconsciente de cada pessoa deve ser trazido à tona através do desenvolvimento da habilidade da atenção plena.
“Mitra” na literatura védica e “Mitta” na literatura em Pali significam o sol. A natureza do sol pode ser chamada de “Maitri” ou “Metta”. Maitri ou Metta também significam amor bondade ou amizade. Talvez a razão porque o amor bondade seja assim chamado é porque gera sentimentos calorosos em relação a todos os seres. Da mesma forma como o calor vem do sol, aquele que possui amor bondade possui um coração pleno de calor para com todos. Da mesma forma como o sol brilha sem discriminação sobre todos os objetos no mundo, “Metta” ou “Maitri” permeiam todos os seres sem qualquer discriminação.

Da mesma forma como o sol dissipa a escuridão, o amor bondade destrói a escuridão da raiva. Da mesma forma como alguns objetos absorvem melhor o sol do que outros, alguns seres vivos absorvem melhor o amor bondade do que outros. Os seres que absorvem mais amor bondade do que outros são aqueles que aprendem a relaxar devido ao seu Kamma.
O Buda cultivou metta tão potente que o fez amar o seu pior inimigo, Devadatta, que tentou matá-lo várias vezes. Ele amava o assaltante e assassino Angulimala, que também tentou matá-lo. Ele amava Dhanapala, um elefante que tentou matá-lo. Ele amava a todos da mesma forma como amava o seu filho Rahula. Quando Devadatta morreu, ao ir ter com o Buda, os monges perguntaram ao Buda qual seria o seu futuro. O Buda disse que no futuro ele se converteria num Buda silencioso. Assim é o amor bondade, guiado pela atenção plena, que nos permite viver em paz e harmonia.

O amor bondade ou metta não pode ser cultivado pela mera repetição de palavras de amor bondade. Esse tipo de repetição é muito parecido com a repetição de uma receita para um paciente num hospital ou de um cardápio para uma pessoa faminta em um restaurante. Repetir uma lista de coisas nunca irá produzir o resultado tangível das palavras da lista. O amor bondade é algo que tem que ser cultivado com intenção por nós mesmos nas nossas mentes.

O amor bondade é desenvolvido através da meditação. Quando a mente está relaxada, o meditador é capaz de perdoar e esquecer todas as ofensas que foram cometidas contra ele. A pessoa pode praticar metta através da meditação da tranquilidade (samatha). Mas isso não dura para sempre porque a tranquilidade que é alcançada é apenas temporária. O amor bondade cultivado através de vipassana, por outro lado, é perpétuo, porque os efeitos da meditação vipassana se enraízam profundamente na mente da pessoa. A meditação vipassana abranda a mente, e o amor bondade, cultivados em conjunto com o abrandamento da mente, irá lançar raízes profundas na mente.

Quem pratica a meditação vipassana vê a impermanência nas formas, sensações, percepções, formações mentais e consciência. Eles podem comparar as mudanças nesses agregados com aqueles das outras pessoas. Dessa forma eles não vêm nenhuma pessoa ou coisa com ódio. Se eles perguntarem a si mesmos quem eles odeiam, eles não irão encontrar nenhum indivíduo para odiar. Da mesma forma, eles não encontrarão nenhum indivíduo pelo qual possam cultivar o amor bondade. Tudo que eles percebem é o fenômeno do fluxo contínuo dos eventos que ocorrem a cada momento, consigo mesmo e com os outros. Isso os capacita a perdoar e esquecer as ofensas que outros agregados tenham cometido contra eles, ou seus amigos, ou parentes. A meditação de metta é o processo verdadeiro que genuinamente desenvolve as nossas nobres qualidades, que podem promover a paz e a felicidade. Não podemos inculcar amor bondade nas mentes das outras pessoas. Nem as outras pessoas podem fazer o mesmo conosco. Você não poderá inculcar amor bondade em mim pela força se o meu Kamma impedir minha mente de aceitá-lo. Cada um de nós precisa preparar o terreno para que o amor bondade se desenvolva e cresça dentro da nossa mente.

Você também deve tê-lo dentro de si antes que possa ensiná-lo aos outros, da mesma forma como você não pode ensinar algo para alguém se você não conhecer o assunto primeiro. Suponha que você tente ensinar algo para outras pessoas sem conhecer o assunto. Você irá passar por tolo. Quanto mais você conhecer o seu assunto, melhor será para ensiná-lo aos outros. Da mesma forma, quanto mais treinada for a sua mente na disciplina do amor bondade, melhor será para ensiná-la ao mundo como cultivá-la. É óbvio que você não precisa esperar até que o seu aprendizado e treinamento estejam completos para iniciar o seu ensino. Enquanto pratica o amor bondade você estará ganhando experiência prática. Você não poderá praticar no vazio. Tem que haver outros seres vivos para que você possa praticar de forma a ganhar experiência. Portanto, ao mesmo tempo em que você treina praticando o amor bondade, estará também treinando os outros nessa prática. Enquanto ensina você aprende. Enquanto aprende você ensina.

Até mesmo os Bodisatvas, enquanto se empenham com vigor na própria salvação, ajudam o mundo. A sua prática os auxilia a alcançar a iluminação primeiro, para assim serem capazes de ajudar o mundo a alcançar o mesmo objetivo. Se eles ensinarem os outros a praticar o amor bondade sem que eles mesmos o pratiquem, eles não alcançarão a iluminação, nem serão capazes de ajudar os outros a praticar o amor bondade.

Cada um de nós precisa cultivá-lo por si mesmo e para si mesmo. Você não pode cultivá-lo pelos outros. Nem os outros podem cultivá-lo por você. Se eu prometer salvá-lo praticando o amor bondade sem que você o pratique, então somente eu livrarei a minha mente da má vontade, pois não serei capaz de livrar a sua mente desse estado negativo. Da mesma forma, se você cultivar o amor bondade para mim e eu cultivá-lo para você, então, ambos estaremos praticando. Eu não deveria esperar que você pratique o amor bondade por mim. Nem você deveria esperar que eu o pratique por você. Se você disser, “Não pratique o amor bondade que eu o farei por você”, isso não funciona. Não diga “Como posso cultivar amor bondade por tal pessoa que me odeia?” Se você odeia quem lhe odeia, ambos estarão fazendo o mal. Ao fazer essa pergunta o que você está dizendo, em outras palavras é, “Como posso ser bom se os outros são maus?” Ou “Como posso evitar cometer crimes se os outros cometem crimes?” Você não pratica amor bondade porque os outros o cultivam. Você quer cultivá-lo justamente porque os outros não o cultivam.

Em última análise a prática do amor bondade depende do desenvolvimento espiritual e do Kamma da pessoa. As mentes de algumas pessoas possuem um Kamma tão desafortunado que para elas é quase impossível sonhar quanto à eficácia do amor bondade quanto mais praticá-lo, pois o seu Kamma impede que elas vejam o benefício do amor bondade. Se você for ensinar uma classe de alunos irá notar que o desempenho dos alunos não é igual. Mesmo gêmeos idênticos possuem desempenhos distintos. A individualidade é a forma de expressar o desenvolvimento emocional, intelectual, físico e espiritual condicionado pelo Kamma da pessoa. Nem mesmo o Buda pode interferir no Kamma de uma pessoa. Nós não somos criados iguais, nascemos diferentes uns dos outros de acordo com o nosso próprio Kamma que divide os indivíduos com qualidades superiores e inferiores. Se você praticar um ato com bom Kamma e desfrutar do seu resultado, eu não serei capaz de roubá-lo ou tomá-lo de você seja pela força ou por meios amigáveis. Se eu praticar o amor bondade para todos os seres poderei limpar a minha mente da raiva. Assim a prática do amor bondade se manifesta no meu comportamento. Começar a prática do amor bondade é começar a prática de bom Kamma, pois nenhum bom Kamma pode ser praticado sem amor bondade. Ao apresentar os Quatro Fundamentos da Atenção Plena o Buda disse aos meditadores que superassem a cobiça e a raiva e o motivo é que durante a prática da atenção plena o meditador irá encontrar muitos problemas com ambos, a cobiça e a raiva. Com frequência as pessoas perguntam “Podemos eliminar a dor, o sofrimento e a raiva das outras pessoas através do cultivo interior de amor bondade?” Até mesmo o Buda é incapaz de erradicar a dor e o sofrimento de outras pessoas desejando-lhes a paz e a felicidade. O Buda disse: “Você precisa trabalhar a sua própria salvação. Os Budas apenas ensinam”. Como cada indivíduo possui a sua parcela de Kamma, cada um tem que se dedicar para obter a sua própria salvação. Se pudéssemos eliminar o sofrimento dos outros desejando que eles se libertem da dor e do sofrimento, então fazer com que todo o mundo tivesse paz e felicidade seria muito fácil. Se isso fosse possível então da mesma forma, também deveria ser possível que uma pessoa vingativa destruísse todos os seus inimigos desejando-lhes: “Que eles sejam feios, que eles sintam dores, que eles não sejam prósperos, que eles não sejam ricos, que eles não sejam famosos, que eles não tenham amigos e que eles após a morte renasçam em estados miseráveis de existência”. Na realidade, aqueles que fazem esses tipos de desejos inábeis é que poderão ficar feios, com dores, sem prosperidade, sem riqueza, sem fama, sem amigos e após a morte poderão renascer em um estado miserável de existência, porque eles cometem um Kamma ruim com a mente, por terem um desejo consciente cheio de raiva. Pensamentos ruins têm o poder de fazer com que os outros se sintam mal e bons pensamentos têm o poder de fazer com que se sintam bem.

Você pode se perguntar, “Se no sentido mais fundamental não existem seres, ou em nenhum sentido algum tipo de eu, ou se existem seres em um sentido condicional e a minha prática de amor bondade não elimina a sua dor e sofrimento, devido ao seu próprio Kamma, porque devo cultivar o amor bondade?” Você deve se lembrar que, quando a sua mente está cheia de pensamentos ruins ou pensamentos cheios de raiva, por exemplo, você fala de uma forma rude com a linguagem grosseira, praguejando, difamando e caluniando. Você fala de forma maldosa. Quando a sua mente está cheia de ódio, tudo que você vê gera dor; tudo que você ouve gera dor; tudo que você cheira gera dor; tudo que você come faz com que fique enfermo, tudo que você toca é desagradável para o corpo; e tudo que você pensa é doloroso. Você se torna vingativo. Você sempre fala mal dos outros, nunca vê nada de bom nos outros. Você se torna muito crítico. Você sempre encontra defeitos nos outros. Você nunca aprecia as coisas boas que eles fazem. Você estará enciumado todo o tempo. Você se torna muito arrogante, ingrato, malvado, com a mente muito mal intencionada. Você sempre pensa em causar dano aos outros. Você se delicia em ver os outros sofrerem, com problemas, com dificuldades. Você fica muito feliz em ver os outros fracassarem na vida. Assim o seu comportamento ultraja as pessoas. Facilmente você faz com que as outras pessoas se sintam mal. O seu comportamento será muito desagradável para as outras pessoas. Todos que estiverem ao seu redor sentirão nojo em ter que trabalhar com você. Elas ficarão com dor de estômago e dor de cabeça. Elas ficarão muito nervosas por estarem próximas de você. É assim que os seus pensamentos inábeis afetam as outras pessoas.

Por outro lado se a sua mente estiver plena com amor bondade, você irá falar de forma gentil, bondosa e amigável. Tudo que você ver será motivo para alegria; tudo que você ouvir será agradável. A sua comida terá um sabor melhor. Tudo que você tocar fará com que fique satisfeito. Tudo que você cheirar será agradável. Tudo que você pensar será muito agradável e tranquilo. Você não medirá esforços para ajudar as outras pessoas. Você se tornará bastante compreensivo e circunspecto. Você terá muita paciência. Você se tornará muito amoldável. Você sempre dirá a verdade. Você sempre irá procurar agradar aos outros. Você estará preparado para esquecer o mal que lhe fizeram e perdoar as pessoas. Você sempre estará relaxado. Você não terá um riso falso e desnecessário, mas um sorriso amigável. Assim as pessoas irão amar trabalhar com você. Elas se sentirão confortáveis em sua companhia. As suas mentes também se tornarão suaves e gentis em relação a você. Elas protegerão você. Elas não falarão mal de você pelas suas costas, mas, sim, bem. O seu nível de produtividade aumentará. A sua reputação aumentará.

Além disso, você poderá perguntar “Qual é o proveito de praticar o amor bondade para com todos os seres dizendo: ‘Todos os seres vivos que existem, fracos ou fortes, sem exceção, compridos, grandes, médios, curtos, sutis, grosseiros, visíveis e invisíveis, próximos e distantes, nascidos e por nascer: que todos os seres tenham os corações plenos de bem-aventurança!’

Porque se deveria desejar, ‘Que ninguém engane ou despreze outrem, em nenhum lugar, ou devido à raiva ou inimizade deseje que alguém sofra. Tal qual uma mãe, colocando em risco a própria vida, ama e protege o seu filho, o seu único filho, da mesma forma, abraçando todos os seres, cultive um coração sem limites.’ Porque alguém deveria ‘Com amor bondade para todo o universo, cultive um coração sem limites: acima, abaixo e em toda a volta, desobstruído, livre da raiva e da inimizade. Quer seja parado, andando, sentado, ou deitado, sempre que estiver desperto, cultive essa atenção plena?'”
Algumas vezes, também, as pessoas se perguntam como podemos desejar para os nossos inimigos “Que os meus inimigos possam estar bem, felizes e tranquilos. Que nenhum mal lhes aconteça; que eles não enfrentem nenhuma dificuldade; que eles não enfrentem nenhum problema; que eles sejam sempre bem sucedidos. Que eles também tenham paciência, coragem, compreensão e determinação para enfrentar e superar as inevitáveis dificuldades, problemas e fracassos da vida?”.

Precisamos lembrar que praticamos amor bondade para a purificação das nossas próprias mentes, da mesma forma que praticamos a meditação para alcançar a iluminação. Ao desenvolver amor bondade interiormente poderei me comportar de maneira mais amigável, sem preferências, preconceitos, discriminação ou ódio. O meu nobre comportamento permite que eu auxilie os demais seres condicionados, da forma mais prática, para reduzir a sua dor e o seu sofrimento. São as pessoas compassivas que se comportam de forma suave e gentil para fazer com que as pessoas ao seu redor se sintam confortáveis.

Compaixão é a manifestação do amor bondade em ação, pois quem não possui amor bondade é incapaz de ajudar os outros. Comportamento nobre significa portar-se da forma mais cordial e amigável possível. O comportamento inclui os pensamentos, linguagem e ações corporais. Se houver contradições nessa forma tríplice de expressar o nosso comportamento, então existe algo de errado nele. O comportamento contraditório não pode ser um comportamento nobre. Se alguém fala de amor bondade, mas se comporta de uma forma grosseira, ele/ela é hipócrita não é honesto/a.

Por outro lado, falando em termos pragmáticos, é muito melhor cultivar o nobre pensamento, “Que todos os seres sejam felizes” do que o pensamento “Eu o odeio”. O pensamento nobre irá definitivamente encontrar a sua expressão no nosso nobre comportamento e o nosso pensamento maldoso irá encontrar a sua expressão no mau comportamento.

Precisamos lembrar que os nossos pensamentos são transformados em linguagem e ação de modo a alcançar o resultado esperado. A intenção ou pensamento traduzido em ação é capaz de produzir um hormônio positivo no nosso cérebro. Esse hormônio positivo age como um nutriente que alimenta e fortifica os nossos nervos. Quando os nossos nervos são estimulados com esse hormônio positivo eles se fortalecem. Esse hormônio positivo será também transportado através do nosso corpo pela circulação sanguínea, fazendo com que as nossas células sejam saudáveis. Os nervos e células saudáveis fazem com que o nosso corpo e mente sejam fortes e saudáveis.

Devemos sempre falar e fazer as coisas com atenção plena no amor bondade. Se, enquanto fala de amor bondade, você age ou fala de uma forma diametralmente oposta, você será repreendido pelos sábios. Na medida em que a atenção plena no amor bondade se desenvolve, os nossos pensamentos, palavras e ações se tornam gentis, agradáveis, relevantes, verdadeiros e benéficos para nós, bem como para os demais. Se os nossos pensamentos, palavras ou ações causam dano para nós, para os outros, ou ambos, então precisamos nos questionar se realmente estamos plenamente atentos ao amor bondade.

Em termos práticos, se todos os seus inimigos estivessem bem, felizes e tranquilos, eles não seriam seus inimigos. Se eles estiverem livres de problemas, dores, sofrimento, aflições, neuroses, psicoses, paranoias, temores, tensões, ansiedades, etc., eles não serão mais os seus inimigos. A sua solução prática para os seus inimigos é auxiliá-los a superar os problemas deles, de forma que você possa viver em paz e feliz. Na verdade, se você pudesse, você deveria preencher as mentes de todos os seus inimigos com amor bondade e fazer com que todos eles realizem Nibbana, assim você poderia viver em paz e feliz. Quanto mais neuroses, psicoses, temores, tensões, ansiedades, etc. eles tiverem, tanto mais problemas, dores e sofrimento eles poderão causar ao mundo. Se você conseguir converter uma pessoa má e cruel em uma pessoa pura e santa então você terá realizado um milagre que o Buda nos permitiu realizar. Cultivemos a sabedoria e o amor bondade nas nossas mentes para converter as mentes más em mentes santas.

Por Vivir com plenitud las crisis. Autor: KABAT-ZINN, JON – página 230

Meditação dirigida – Despertando a Bondade Amorosa

Por meio da meditação bondade amorosa, abrimos nossos corações para nós mesmos, para os outros e para todos os seres em todos os lugares.

Sente-se de forma que você esteja confortável e relaxado. Faça uma varredura em seu corpo e deixe ir qualquer tensão que você tenha. Solte os ombros, relaxe as mãos e a barriga. Tire alguns momentos para criar a imagem e a sensação de um sorriso (ver “Embracing Life with a Smile”, página 91). Permita que isso conecte-o com espírito de mansidão e tranquilidade.

Agora permita-se recordar e abrir sua bondade básica. Você pode trazer à mente as vezes que você tenha sido gentil ou generoso. Você pode se lembrar do seu desejo natural de ser feliz e de não sofrer. Você pode honrar seu despertar essencial, honestidade e amor. Se reconhecer a sua própria bondade é difícil, então, olhe para si mesmo através dos olhos de alguém que o ama. O que essa pessoa ama em você? Você também pode trazer à mente aquele que para você encarna o Bem-Amado – Buda, Kwan Yin, a Divina Mãe, Jesus, Shiva – e veja-se com esses olhos sábios e amorosos. Quando você tiver se conectado com o sentido de sua bondade essencial, permaneça em terna apreciação por alguns instantes.

Agora, com um sussurro silencioso comece a oferecer a si mesmo bondade amorosa por meio de orações de apreciação.
À medida que você repete cada frase, sinta o significado das palavras e deixe-as surgirem da sinceridade do seu coração. Escolha quatro ou cinco frases que são significativas para você.
Elas podem incluir:

Possa eu ser preenchido com bondade amorosa; que eu possa permanecer em bondade amorosa.
Que eu possa me aceitar como eu sou.
Que eu possa ser feliz.
Que eu possa alcançar uma grande e natural paz.
Que eu possa conhecer a alegria natural de estar vivo.
Que o meu coração e mente estejam despertos, que eu possa ser livre.

Você pode achar que começa a se sentir desconfortável quando oferece a si mesmo orações de bondade amorosa. As palavras podem parecer discordantes e artificiais se você se sente para baixo. Às vezes, o exercício de oferecer cuidados a si mesmo só destaca como não merecedor você se sente. Sem julgamento, inclua essa reação na meditação: “Que isso também possa ser envolvido em bondade amorosa”. Em seguida, retome, oferecendo as frases escolhidas de cuidado a si mesmo, mantendo-se atento e aceitando qualquer pensamento ou sentimento que possa surgir.

Se você achar que está recitando as palavras mecanicamente durante essa ou qualquer parte da meditação, não se preocupe. Tal como acontece com a prática do perdão, seu coração tem estações naturais de sentimento abertas e fechadas. O que mais importa é a sua intenção de despertar a bondade amorosa.

Agora você pode começar a abrir o círculo de bondade amorosa. Traga à mente alguém que é querido por você. Reflita sobre a bondade básica dessa pessoa, sentindo o que, em particular, você ama nela. Talvez você ame nessa pessoa a capacidade de amar, sua honestidade ou humor. Você deve se lembrar que ela quer ser feliz e não quer sofrer. Esteja ciente de sua essência, tão boa, desperta e amável. Em seu coração, sinta o seu apreço por essa pessoa querida e comece a lhe oferecer a sua oração. Você pode usar quatro ou cinco das frases abaixo ou, se preferir, crie a sua própria. Enquanto você silenciosamente sussurra cada frase de bondade amorosa, imagine como seria, para essa pessoa, experimentar os frutos de sua bênção – a autoaceitação, paz, alegria e liberdade.

Que você possa ser preenchido com bondade amorosa, que você possa ser envolta em bondade amorosa.
Que você possa sentir meu amor agora.
Que você possa aceitar-se exatamente como você é.
Que você seja feliz.
Que você possa conhecer uma grande e natural paz.
Que você possa conhecer a alegria natural de estar vivo.
Que seu coração e mente estejam despertos, que você possa ser livre.

Após oferecer suas orações por uma pessoa amada por alguns minutos, amplie seu círculo de cuidado e consciência, trazendo à mente uma pessoa “neutra”. Esse é alguém que você pode ver regularmente, mas não conhece bem e por quem não nutre fortes sentimentos negativos ou positivos. Reflita sobre a bondade dessa pessoa ao sentir como ele ou ela também quer ser feliz e não sofrer.

Sinta a vitalidade deste ser e cuidado essencial pela vida. Usando as frases sugeridas acima, ou quaisquer outras frases que você escolher, ofereça bondade amorosa a essa pessoa.

Agora traga à mente alguém com quem você tem uma relação difícil – talvez alguém que evoque a raiva, medo ou dor. Primeiro, use alguns momentos para prestar uma atenção gentil em tudo o que surge em você quando reflete sobre essa pessoa. Envolva seus próprios sentimentos em bondade amorosa. Em seguida, voltando sua atenção para essa pessoa, tente ver algum aspecto de sua bondade básica. Se é difícil perceber a bondade ou a honestidade, simplesmente reflita sobre como essa pessoa quer ser feliz e não quer sofrer. Sinta o despertar fundamental, e lembre-se de que a vida é importante para essa pessoa, assim como o é para você.

Mantenha uma atenção gentil nessa pessoa e comece a oferecer as frases de bondade amorosa que vêm mais facilmente para você.

Em seguida imagine que está reunindo todos aqueles por quem acabou de orar – você mesmo, um ente querido, uma pessoa neutra e uma pessoa difícil – e ofereça as orações de bondade amorosa para todos de uma vez. Sinta sua humanidade compartilhada, sua vulnerabilidade e sua bondade básica. Quando você enviar orações de carinho, mantenha-se e a esses outros em seu coração, reconhecendo que todos vocês estão juntos nisso.

Agora permita a sua consciência abrir em todas as direções – na sua frente, aos seus lados, atrás de você e acima. Nesse vasto espaço, sinta que sua presença amorosa está envolvendo todos os seres: as criaturas selvagens que voam, nadam e correm através dos campos, os cães e gatos que vivem em nossas casas; as formas de vida que estão ameaçadas de extinção; as árvores, gramíneas e flores; crianças em toda parte; seres humanos que vivem em grande pobreza e aqueles com grandes riquezas, aqueles em guerra e as pessoas em paz, aqueles que estão morrendo e aqueles que estão nascendo. Imagine que você pode segurar a terra, nossa mãe, em seu colo e inclua toda a vida em seu coração sem limites.

Ciente das alegrias e tristezas que são toda a experiência, mais uma vez ofereça suas orações:

Possam todos os seres ser preenchidos com bondade amorosa.
Possam todos os seres conhecer uma grande e natural paz.
Que haja paz na terra, paz em todos os lugares.
Possam todos os seres despertar; possam todos serem livres.

Repita essas frases várias vezes. Então se permita descansar em abertura e silêncio, deixando que qualquer coisa que surja no seu coração e consciência seja tocada por bondade amorosa.

Você pode colocar a prática da bondade amorosa em sua vida diária.

Quando você está com um ente querido ou com alguém que provoca irritação ou insegurança, você pode fazer uma pausa, estar atento ao seu coração e mentalmente sussurrar: “Que você seja feliz”.

Você pode definir a intenção de refletir, a cada manhã, por uma semana, sobre a bondade das pessoas com as quais vive. Em seguida, ao longo do dia sempre que você se lembrar, silenciosamente, ofereça-lhe orações de bondade amorosa.

Você pode escolher uma pessoa que vê regularmente e por quem tenha sentimentos neutros, e, durante uma semana quando você a vir, silenciosamente ofereça seus desejos para o seu bem-estar.

Ou pode escolher uma pessoa a quem você acha difícil e diariamente oferecer-lhe bondade amorosa.

À medida que você faz essas práticas, observe como seus sentimentos mudam no relacionamento com essas pessoas nas quais está focando. Seu comportamento muda em relação a você?

Uma vez que as frases e a sequência da prática podem facilmente tornar-se mecânicas, existem maneiras de manter sua experiência viva. Nesse sentido, você pode experimentar o seguinte:
Selecionar frases que ressoam no momento.
Faça sua oração em voz alta.
Diga o nome da pessoa a quem você está oferecendo a sua oração.
Imagine que você está segurando em seu coração aqueles a quem você está enviando bondade amorosa, ou colocando a mão em seu rosto com cuidado.
Imagine-se sentindo curado, amado e enaltecido pela sua oração.

Mesmo poucos momentos de oferecimento de bondade amorosa pode reconectá-lo com a pureza de seu coração amoroso.
A Mente Alerta – como viver intensamente cada momento de sua vida através da meditação. Autor: KABAT-ZINN, JON

Meditação sobre a Bondade

Comece concentrando-se em sua posição e na sua respiração.

Convide sentimentos de calma e aceitação a estarem presentes em você.

Depois, a partir do seu coração ou de sua barriga, convide os sentimentos ou imagens de bondade e amor a irradiar, até que eles preencham todo o seu ser.

Permita-se ser embalado por sua própria atenção como se fosse tão merecedor de bondade amorosa como qualquer criança.

Permita que sua atenção incorpore tanto a energia benevolente de uma mãe quanto a de um pai, tornando disponível para você, neste momento, um reconhecimento, um respeito pelo seu ser e uma bondade que você talvez nunca tenha recebido o suficiente quando criança.

Permita-se ser embalado na energia de bondade amorosa, inspirando-a e expirando-a, como se fosse uma corda de salvamento há muito tempo em mau estado, mas finalmente passando por uma revitalização que você vinha desejando ardentemente.