Tamanho da Fonte

O que é?

A Meditação Vipassana baseada na plena atenção à respiração, ensinada pelo Buda, é um caminho eficaz e completo para treinar a mente.

VIPASSANA significa olhar dentro de algo com clareza e precisão, ver distintamente cada componente, penetrar  todo o caminho, vendo assim a realidade mais fundamental de cada coisa.
 
O objetivo central dessa prática é ver a verdadeira natureza do corpo/mente da forma como realmente é, e não como aprendemos a acreditar ou supomos que seja. Ver as coisas como são produz a compreensão correta e a sabedoria, por meio das quais a ignorância e o sofrimento são eliminados.

A Meditação Vipassana é, portanto, essencialmente um processo ou uma jornada ao interior do próprio corpo e mente para observarmos diretamente e compreendermos como corpo e mente trabalham nos níveis sutis.
 
Vemos então a interconexão entre o corpo, a mente,os sentidos e a estimulação dos sentidos. Vemos os condicionamentos e as reações automáticas de nosso corpo e mente ao mundo interior e exterior.
 
Esta visão profunda e penetrante permite que a compreensão do sofrimento e das causas do sofrimento seja vista claramente.

Com a prática, as fontes internas e externas de conflito, confusão e sofrimento físico e psicológico são percebidas, enfraquecidas e, finalmente, transcendidas. Com isto um bem estar, estável, físico e mental desenvolve-se juntamente com a bondade e a compaixão para consigo e para com todos os seres.

Saiba mais, lendo o texto abaixo (extraído da Casa de Dharma)

A palavra vipassana é formada por vi, que significa “dividir ou separar” e por passana, que significa “ver”. O significado e a função de vipassana, portanto, é ver o processo corpo/mente separado em partes, de forma a separar e dividir o todo em seus fatores elementares. Este tipo de sabedoria especial e penetrante é cultivado através da prática sistemática da meditação vipassana ou do insight. 

O objetivo central dessa prática é ver a verdadeira natureza do corpo/mente da forma como realmente é, e não como aprendemos a acreditar ou como supomos que seja. Ver as coisas como são produz a compreensão correta e a sabedoria, através das quais a ignorância e o sofrimento são eliminados, permitindo a realização das Quatro Nobres Verdades. Esta compreensão tem como característica penetrar as essências ou estados individuais. A função dessa compreensão é extinguir a escuridão da delusão, que oculta as essências individuais dos estados. Esta compreensão se manifesta como não-delusão. Como ensinou o Buda: “Aquele que tem concentração, sabe e vê corretamente”.

A meditação vipassana é, portanto, essencialmente um processo ou uma jornada ao interior do próprio corpo e mente para observarmos diretamente e compreendemos como corpo e mente trabalham nos níveis sutis. Vemos então a interconexão entre o corpo, a mente, os sentidos e a estimulação dos sentidos. Vemos o condicionamento e as reações automáticas de nosso corpo e mente ao mundo interior e exterior.

Esta visão profunda e penetrante permite que a compreensão do sofrimento e das causas do sofrimento seja vista claramente. Com a prática, as fontes internas e externas de conflito, confusão e sofrimento físico e psicológico são percebidas, enfraquecidas e, finalmente, transcendidas. Um bem-estar estável físico e mental desenvolve-se juntamente com a bondade e a compaixão para consigo mesmo e para com todos os seres. Por fim, a prática de vipassana, ao lado dos outros passos do treinamento do Nobre Caminho Óctuplo, leva aos estágios de Iluminação e Liberação de todo sofrimento.

O coração da meditação vipassana é penetrar as três características da existência:

1. Impermanência (annica);
2. Sofrimento (dukkha); e
3. Não-Eu (anatta).

O Buda explicou que estas três características constituem a natureza de todos os fenômenos condicionados, incluindo nosso próprio corpo e mente e o mundo. Os objetos da meditação vipassana são os Cinco Agregados do Apego:

1. Forma material (rupa);
2. Sensações ou apego (vedana);
3. Percepção (sanna);
4. Formações volitivas (sankhara); e
5. Consciência (vinnana).

O mecanismo do processo é sintonizar a atenção calma e concentrada momento a momento no surgimento e desaparecimento dos estímulos sensoriais através dos seis sentidos de maneira a alcançar a mais profunda compreensão da Impermanência, Sofrimento e Não-Eu.

Vipassana baseia-se nas instruções de meditação dadas pelo Buda no Discurso dos Quatro Fundamentos da Plena Atenção (Satipatthana Suttra). A Plena Atenção é o instrumento básico utilizado no desenvolvimento de vipassana.

Conforme vimos, o objetivo da meditação vipassana é penetrar o véu da delusão ou ignorância da mente através da visão profunda das três características da vida: Impermanência, Insatisfação e Não-EU. Esta visão especial produz a sabedoria, que arranca e destrói as sementes das impurezas mentais que geram os pensamentos e ações que produzem sofrimento.

O ideal é cultivar o poder de concentração/tranqüilidade ao menos até se atingir o primeiro jhana antes de desenvolver a meditação vipassana. Entretanto, é possível iniciar a meditação do insight antes disso. A Plena Atenção à respiração é o objeto primário da atenção. Se a respiração já tiver sido utilizada como objeto da prática de samatha, melhor.

O Satippatthana Suttra, também conhecido como Discurso dos Quatro Fundamentos da Plena Atenção, oferece a estrutura ou campo de atenção para orientar a plena atenção aos cinco agregados. O nível inicial de contemplação do insight também requer uma certa dose de análise investigativa.

O ponto de partida da plena atenção é o corpo físico. A plena atenção à respiração conduz a atenção que se encontra voltada ao mundo exterior, ao passado e ao futuro para o momento presente do corpo interior sutil. Então, a investigação divide mentalmente o corpo através da dissecação de suas trinta e duas partes e, posteriormente, parte para a contemplação dos quatro elementos. O objetivo é experimentar o corpo no final das contas basicamente como apenas uma massa de vibrações/sensações mudando rapidamente – obtendo-se, dessa forma, a sensação de desaparecimento do corpo sólido. Os insights de anicca, dukkha e anatta surgem e a mente se separa de seus apegos e da auto-identificação com o corpo. O que é percebido é “apenas o que é” – a natureza cumprindo sua função.

Com a atenção neste nível de desapego interior, a conscientização pode mudar seu foco para o segundo fundamento da plena atenção: as sensações. Vemos que as sensações corporais e os sentimentos são experimenta dos como agradáveis, dolorosos ou neutros sendo produzidos pelo contato sensual com imagens, sons, odores, tato e objetos mentais. Compreendemos que essas sensações (e sentimentos) são modos condicionados de interpretar os estímulos sensoriais; vemos como nos tornamos programados para gostar (considerar agradável) ou desgostar (considerar desagradável) e reagir com apego ou aversão ao que, na verdade, são apenas vibrações vazias de intensidades variadas do sistema nervoso. Vemos como as sensações (e sentimentos) também são apenas anicca, dukkha e anatta, e então separamos a observação consciente que temos das sensações e sentimentos das sensações e sentimentos em si, tornando-nos equânimes em relação a eles.

Enquanto praticamos dessa maneira, surgem também os estados mentais e os objetos mentais (pensamentos, estados de espírito, emoções e qualidades mentais), e nós os contemplamos da mesma forma como impermanentes, condicionados e fonte de sofrimento caso nos identifiquemos ou nos apeguemos a eles, além de “não-eu” e “não-meu”. Separamos a observação consciente que temos dos estados e objetos mentais dos estados e objetos mentais em si e cultivamos equanimidade em relação a eles.

À medida que fazemos isso, a concentração aumenta, estabelece-se uma profunda calma, os cinco agregados do corpo e da mente não causam mais grande desconforto (durante o período de meditação) e obtemos uma compreensão mais profunda das Quatro Nobres Verdades.

Finalmente, através da prática sustentada, a meditação vipassana ou da plena atenção leva aos quatro estágios da Realização/Iluminação/Liberação.

 

Buscar Evento

Fique por Dentro

Cadastre abaixo seu e-mail e receba todas as novidades sobre as atividades da Sociedade Vipassana.

Colabore

Saiba como você pode contribuir para que mais pessoas tenham acesso aos benefícios da prática da meditação.